Mimo 2012 leva Arnaldo Batista, Chucho Valdés e Letieres Leite a Pernambuco

Já faz quatro anos que o GarotaFM acompanha a Mostra Internacional de Música em Olinda, a Mimo, que este ano cresceu e foi parar em Ouro Preto (MG), na semana anterior, além de repetir a dose em João Pessoa (PB). Mas a faceta pernambucana do evento, cujos shows começaram em 06 e foi até 09 de setembro, foi mais uma vez o que chamou nossa atenção: nas Igrejas de Olinda e em palcos de Recife, o povo prestigiou e aclamou nomes da música de todo o mundo.

Nós assistimos às apresentações de Duo Milewski (Igreja da Misericórdia), Arnaldo Baptista (Teatro de Santa Isabel), Duo Assad (Igreja da Sé), Chucho Valdés (Igreja da Sé), Orquestra Contemporânea de Olinda e Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz (ambos na Praça do Carmo). Vamos, aqui, comentar o que nos chamou mais atenção.

O Duo Milewski emociona já por se tratar de um casal. A sintonia do violinista polonês Jerzy Milewski e de sua mulher, a pianista brasileira Aleida Schweitzer, faz a mistura do erudito com o popular e com o jazz tornar a música palatável. Eles se conheceram quando Aleida foi a Varsóvia aprofundar os conhecimentos pianísticos. Na Mimo 2012, eles lotaram a Igreja da Misericórdia.

Arnaldo Baptista fez um dos shows mais cotados da mostra. Fora do Teatro de Santa Isabel, a fila de gente tentando um espacinho dava voltas. Dentro, o teatro clássico lotou de fãs de Mutantes – banda que  fundou na década de 60 com a namorada Rita Lee e o irmão Sérgio Dias – e curiosos sobre como é um show solo de Arnaldo. O ex-Mutante tocou o que quis e como quis e foi ovacionado.

Acompanhado por si próprio ao piano, e com desenhos servindo como cenário ao fundo do palco, Arnaldo alternou canções próprias (como “Cê Tá Pensando que Eu Sou Loki?”) com sucessos dos Mutante (“Balada do Louco”, por exemplo) e hits em inglês de todos os tempos (“Honky Tonk Woman”, “I Got You”, “Somewhere Over the Rainbow” etc). “I Can’t Stop Loving You” virou “I Can’t Stop Smoking You” nas brincadeiras de Baptista, que chegou a fazer uma leitura de “Ai Lil,i Ai Lili, Ai Lou” e, no bis, foi de Bob Dylan (“Blowin’ in the Wind”).

Como de costume, Arnaldo quase não falou, alternou erros e acertos ao piano e distribuiu sorrisos nos intervalos entre as músicas.  O show do dia 07/09 foi gratuito como todos os outros da Mimo 2012, sendo que era necessário pegar senha uma hora antes de cada apresentação.

No dia 08/09, o Duo Assad preparou a Igreja da Sé para Chucho Valdés e seu quinteto entrarem. Os irmãos Assad viajam o mundo mostrando seu virtuosismo ao violão. Em 1979, venceram a Young Artists Competition, em Bratislava. O primeiro Grammy veio com “Sérgio e Odair Assad tocam Piazzola”, em 2002. Na Mimo, apresentaram juntos e separados peças que misturam estilos e mostraram como um ou dois violões podem preencher todo o espaço da principal Igreja da Olinda.

Chucho veio de Cuba com seus oito Grammy na bagagem e 50 anos de carreira para apresentar seu novo disco, “Chucho Steps”. Filho de“Bebo” Valdés, um dos criadores do mambo e ex-diretor da orquestra da boate Tropicana, Chucho combina a tradicional música cubana com rock, jazz e funk. Acompanhado de quatro músicos performáticos, fez as teclas do piano se cansarem. Para quem só ouve, é hipnotizante. Para quem assiste, é um espetáculo, além de sonoro, visual. Chucho conquistou a plateia da Sé.

A Orquestra Contemporânea de Olinda lançou no palco montado na Praça do Carmo o álbum “Pra Ficar”, o segundo da big band que teve produção do renomado Arto Lindsay. O norte-americano foi convidado para uma participação neste show, que teve momentos de piração, mas também contou com a compreensão da plateia em momentos cansativos de apresentação de músicas novas. O disco de estreia, lançado em 2008, foi indicado aos prêmios da Música Brasileira e Grammy Latino. Maciel Salú lembrou disso no palco e aproveitou para dar uma reclamadinha: “O pessoal de fora reconheceu nosso trabalho. E tem muita gente daqui da nossa terra que não reconhece.” Recado dado, do meio pro final a Orquestra esquentou de vez.

O show de encerramento da Mimo 2012 no domingo (o9/09), de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, foi um dos mais surpreendentes pela mobilização que causou. Não se deve subestimar um público e isso ficou claro quando a produção escolheu colocar a banda comandada pelo compositor e arranjador baiano para tocar no Carmo. Houve uma breve discussão sobre Chucho Valdés conseguir mobilizar tanta gente com seu som instrumental. Ficou claro que daria certo, afinal, a música de Letieres e seus 19 companheiros empolgou todos os presentes.

Links relacionados:

Saiba mais sobre a Mimo 2012

Relembre o show do Gotan Project na MIMO 2011

Ballaké Sissoko, do Mali, e o francês Vincent Segal: kora e violoncelo na MIMO 2011

Atração de 2009, Jam da Silva chega ‘perto do céu’ em show no Seminário de Olinda

Mimo 2009: Remanescentes do Buena Vista Social Club surpreendem em praça pública

Coletiva dos integrantes do Buena Vista Social Club acaba em cantoria

Músicos cubanos encontram fãs no Clube Bela Vista, em Recife

Antônio Nóbrega fez show com pouco frevo na Mimo 2009

Violinos e rabecas duelaram na primeira noite de Mimo 2009 em Olinda

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>