Angela Ro Ro comemora 35 anos de carreira com DVD e programa

Posted by Chris Fuscaldo Category: Entrevistas

Esse é o ano de Angela Ro Ro! Comemorando 35 anos de carreira, a cantora e compositora está comandando um programa de televisão chamado Nas Ondas da Ro Ro, no qual recebe diversos convidados, e lançando o CD e DVD Feliz da Vida! pela Biscoito Fino, com as participações de Maria Bethânia, Moska, Jorge Vercillo, Diogo Nogueira, Frejat e Sandra de Sá. “É maravilhoso porque a pessoa que compra não precisa nem gostar de mim”, brinca a sempre irreverente Ro Ro.

Angela Ro Ro ao piano por Tata Barreto

Angela Ro Ro ao piano por Tata Barreto

Desde que terminou a Copa do Mundo, uma vez por semana, sempre às 20h30 de segunda-feira (com reprises às 16h30 de quinta e às 13h de sábado), o Canal Brasil apresenta um episódio produzido por Lana Braga e dirigido por Jodele Larcher. O programa começou na Rádio Uol, em 2011, ganhou a TV e rendeu até um curta-metragem intitulado Eu Sou Insana?, dirigido por Jodele e exibido já em festivais de filmes musicais (teaser no fim da página).

Angela Ro Ro e o maestro Ricardo Maccord por Tata Barreto

Ro Ro e o maestro Ricardo Maccord por Tata Barreto

Os encontros com Gaby Amarantos, Jerry Adriani e Mart’Nália no Nas Ondas da Ro Ro já foram exibidos. Agora, vem aí (não nessa ordem) George Israel, Sandra de Sá, Zélia Duncan, Jorge Vercillo, Zé Renato, Sérgio Loroza, Alessandra Maestrini, Leila Pinheiro e Teresa Cristina.

Ro Ro e Leila Pinheiro por Tata Barreto

Ro Ro e Leila Pinheiro por Tata Barreto

O GarotaFM acompanhou um dia de gravação, quando Leila Pinheiro e Teresa Cristina participaram, e bateu um papo com Angela. Destaque para algumas frases que merecem ser lidas:

Ro Ro e Teresa Cristina por Tata Barreto

Ro Ro e Teresa Cristina por Tata Barreto

Não bebo mais, não fumo nem beijo o meio-fio. É engraçado, mas me sinto melhor que há 20 anos.

Pra entrar nas coisas ruins não telefonei pro médico perguntando: “Beber um litro de uísque por dia vai fazer mal ao fígado?”

E ela continuou: “Angela Maria, sua mãe está morrendo, mas você está um lixo.”

Perto de mim, Rubem Fonseca é empadinha de festa e João Gilberto, um ser social.

O Facebook só não me ajuda a namorar porque estou casada.

Lana Braga e Jodele Larger por Tata Barreto

Lana Braga e Jodele Larger por Tata Barreto

Pra você, qual foi a diferença entre fazer o programa para a rádio e para a TV?

Angela Ro Rosendo entrevistada por Chris Fuscaldo em foto de Tata Barreto

Angela Ro Rosendo entrevistada por Chris Fuscaldo em foto de Tata Barreto

Ah, adorei tudo! Na internet, o Nas Ondas da Ro Ro, a gente fez uma experiência… primeiro fiquei meio sem graça porque Ro Ro é meu apelido de quando era pequena e eu não gostava, não. Mas já assumi há muito tempo, são 35 anos de carreira que estou comemorando agora. Mas a experiência do programa na rádio foi genial. A gente usou o Teatro Rival, contou com o público, o calor, a mídia aberta… Aqui, a gente não abriu muito pra mídia, apesar dos nomes serem fantásticos, e o público foi menor. Recebi no palco de Dudu Nobre até Teresa Cristina, passando por George Israel, Vercillo, Mart’Nália, Gaby Amarantos, Leila Pinheiro… Gravamos 12 programas.

O da rádio, transmitido pela rádio UOL, teve 48 episódios. Gravamos durante o ano de 2011 todo. Começamos com Preta Gil, passamos por Toni Platão, Dudu Nobre, Luiz Melodia, Francis Hime…  Mas foi uma gravação mais precária, né? Foi um ensaio para o que aconteceu agora.

A produção do programa para a TV não foi nada precária, né?

A ideia foi da dupla produtora Lana Braga e Jodele Larcher, um diretor consagrado há muito tempo, com programas desde Xuxa a Rock in Rio. E, agora, Angela Ro Ro, porque eu fiquei no elenco dele.

Como surgiu o nome Nas Ondas da Ro Ro?

Surfando Nas Ondas da Ro Ro para Chris Fuscaldo e Tata Barreto verem

Surfando Nas Ondas da Ro Ro para Chris Fuscaldo e Tata Barreto verem

O pessoal do escritório que cuida da minha carreira estava estressado. Era um tal de edital pra lá, captação de recurso pra cá… Eu sei que eles dão duro, mas quis fazer uma brincadeira para deixar o clima mais leve. Coloquei uma bermuda e fui para o Arpoador, que é minha área desde que eu nasci.

Cheguei na banca de jornal e vi um adesivo com um cara em cima de uma prancha, fazendo um hang loose, e estava escrito assim: “Tá estressado? Pegue uma onda!” Aí eu botei na janela do escritório. Lana, que é minha amiga e parceira de música, além de dona do escritório, falou: “Vamos fazer o Nas Ondas da Ro Ro?” Aí começamos a gravar o programa de rádio. O meu reencontro com esses artistas convidados deu tão certo que rendeu até um CD e DVD cheio de parcerias.

Fale sobre esse CD e DVD, Feliz da Vida!, que comemora também seus 35 anos de carreira.

O Feliz da Vida! ainda não teve um show de lançamento porque esse não é um ano fácil, por causa da Copa e de todos os feriados. Mas o DVD é maravilhoso porque a pessoa que compra não precisa nem gostar de mim! São 16 música, sendo que 13 inéditas, e tem participações de Maria Bethânia, Moska, Jorce Vercillo, Diogo Nogueira, Sandra de Sá e Frejat.

Voltando ao programa, como você se prepara para as gravações? Porque entrevistar é diferente de cantar, né?

O que mais preciso é dormir algumas horas significantes e comer bem, porque é uma maratona bacana, mas eu tô com 64 anos. Não sou mais criança, mas graças a Deus consegui me recuperar e hoje dou conta. Não bebo mais, não fumo nem beijo o meio-fio. É engraçado, mas me sinto melhor que há 20 anos. Tô com mais fôlego. Mas a maratona foi pesada… foram 7 dias de gravação, comigo saindo de casa antes das 13h e voltando depois de 1h da manhã. Mas é uma alegria e vitória pra todos nós. Os convidados fica m felizes e eles adoram minhas palhaçadas.

Você viveu muitas coisas, foi ao fundo do poço e voltou, mas o humor continua o mesmo, né?

Angela e Teresa Cristina por Tata Barreto

Angela e Teresa Cristina por Tata Barreto

Teve uma época da minha vida em que eu fiquei muito dodói. Papai morreu, mamãe ficou muito dodói e morreu e eu achava que eu estava na fila, pronta pra morrer. E eu não estava bem. Saí de uma casa onde nunca me fizeram mal. Fui uma criança bem criada e meu pai nunca levantou a voz pra mim. Aí, depois que eu sofri brutalidades e infâmias, não só morais, mas mas físicas também, acabaram com minha juventude e eu fiquei arrebentada. Cada vez que eu tentava me levantar, não conseguia, pois me arrebentavam fisicamente e moralmente, com calúnias. Eu dizia: “Que diabo é isso? Estou sendo apedrejada!” Aquilo perturbou minha vida bastante, a ponto de eu dizer: “Eu não aguento mais! Eu preciso de fôlego para voltar a cantar.” Fiz uma dieta, perdi 60 quilos. Agora eu tô gordinha de novo, mas faço exercícios leves, caminho bastante… Isso tudo contribui para essa jornada de 12 horas seguidas. E, te respondendo sobre o humor… ah, o humor foi o primeiro sinal!

Como assim?

Quando eu estava preocupada, pensando no que seria de mim sem papai e sem mamãe… porque sou filha única… e estava dodói, obesa… decidi largar tudo sem a ajuda de ninguém. Eu estava numa condição em que não podia dar minha cabeça para um psiquiatra, porque ia achar ele um bundão. Não era de psiquiatra que eu precisava, era reformular tudo. Fui procurar um nutricionista. Eu sabia o que estava fazendo de errado e o que precisava fazer de certo. Eu fui hippie, fiz macrobiótica e vegetarianismo, conheço a yoga. Eu sabia o que estava errado. E fui no tranco, sem ajuda. Pra entrar nas coisas ruins eu não telefonei pra nenhum médico perguntando: “Meu amor, beber um litro de uísque por dia vai fazer mal ao fígado?” Não ia perguntar agora, né? E impressionantemente a vida sorriu pra mim e eu sorri de volta pra vida, porque sou muito grata a vida.

E como você agradece à vida?

Quando eu assino um CD, eu escrevo: “A música fez milagres em mim.” Porque é verdade. Não foi religião, com todo respeito a todas as religiões com respeito aos médicos, porque obviamente usei muito do meu plano de saúde quando eu estava doente.

Como você aprendeu a viver sozinha, sem pai nem mãe?

Com Leila Pinheiro por Tata Barreto

Com Leila Pinheiro por Tata Barreto

Mamãe morreu em maio de 1999 e ela tinha um humor maravilhoso. E ela falou: “Filha, sua mãe está morrendo de câncer. Sua mãe esta caindo as pedaços. Não venha aqui, não e não faça sua mãe chorar porque isso dói mais.” Ela estava em Saquarema e eu comecei a chorar no telefone. E ela continuou: “Angela Maria, sua mãe está morrendo, mas você está um lixo.” Aí eu falei: “Mãe, puxa vida, fiquei com vergonha agora.” E Ela: “Sabe, minha filha, sabe que você pode não ter prestado atenção ou ter aprendido com sua mãe, mas eu aprendi muito com você. Você não lembra do tempo em que você falava sobre lixo reciclável? Você não se lembra de quando me ensinou o que era naturalismo, macrobiótica, de como controlar a pressão com dieta? Minha filha, você tem que reaprender com você mesma”. Olha que danada que era a Conceição! E dez dias depois ela faleceu.

Mudando de assunto, você tem usado as novas tecnologias e as redes sociais?

Não tenho medo da internet. Eu sou uma anta em informática, mas adoro. Eu tive Orkut, mas fui descoberta. Agora, tenho um parceiro que cuida do meu site e do Facebook. Falei pra ele que, perto de mim, Rubem Fonseca é empadinha de festa e João Gilberto, um ser social. Acho fascinante aquelas fotinhos das pessoas… encontrei muita gente lá no Facebook, gente importante que eu não via há décadas.

Quem, por exemplo?

Ah, além de uma prima que adoro, amigos que moram no Canadá e em Paris e a turma do Arpoador, ou melhor, o que sobrou dela. O Facebook só não me ajuda a namorar porque estou casada.

Teaser: Eu Sou Insana? from Inova TV on Vimeo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>