Dani Black: um ‘cantautor’ amigo de Chico César e Zélia Duncan

Posted by Chris Fuscaldo Category: Entrevistas

Eu e ele, duas tentativas de fazermos a entrevista sobre o show no projeto PatuÁ, que se realizará na próxima terça-feira (29/04), na Miranda (RJ), com Leonardo Lichote na condução do bate papo e a participação de Zélia Duncan.

A primeira, numa segunda-feira, precisei remarcar porque meu voo foi cancelado e eu não consegui voltar de São Paulo em tempo. Na segunda vez, no dia seguinte, ele se surpreendeu quando liguei e, no meio de um ensaio, disse que não sabia que era naquele horário que a assessora de imprensa marcou. Falha na comunicação! Combinamos de falar na quarta, dia muito cheio pra mim e pra ele, que dividiria um show em São Paulo com Maria Gadú.

Teríamos cerca de meia hora, que, depois de mais alguns desencontros, viraram 10 minutos. Difícil aproveitar bem uma entrevista em tão pouco tempo. Mas, falando rapidão o que vinha na cabeça, sem querer consegui respostas que queria para entender muito melhor esse tal Dani Black. Abaixo, publico a nossa conversa na íntegra, com informações relevantes entre parênteses.

Dani Black por Marcos HermesEu: Quando seu disco (“Dani Black”, lançado pela Som Livre) chegou, coloquei no som do carro e saí ouvindo. A única coisa que sabia sobre você era que Maria Gadú tinha gravado uma música sua (“Aurora”). Aí, passou a primeira música, depois a segunda, veio a terceira, a quarta e, lá pela quinta ou sexta faixa, pensei: “Nossa, esse garoto tem alguma coisa de Chico César!” Eu sabia que não era o timbre nem o tipo de composição. Aí, quando você começou a cantar a sétima canção, não aguentei. Parada no sinal vermelho, peguei o encarte. A primeira música era sua. A segunda, também. E, assim sucessivamente, virando as páginas, percebi que todas as composições tinham a sua assinatura… até a sétima! E lá estava “Comer na Mão”, assinada por ele, o cantor e compositor paraibano. Não me entenda mal! Não estou fazendo uma comparação, porque essa referência a Chico César veio muito de leve, e eu sei que são harmonias, melodias e letras  distintas.

Ele: Nossa, que legal você ter tido essa percepção. Acho que ninguém tinha falado isso assim.

Eu: Mas estou falando alguma bobagem?

Dani Black com Chico CésarEle: Não! De jeito nenhum! Chico é um cara muito importante pra mim! Ele foi minha babysitter de luxo. Quando meus pais (o compositor Arnado Black e a cantora Tetê Espíndola) saíam pra namorar, ele ficava cuidando de mim e da minha irmão e tocando pra gente. Eu tinha sete anos quando isso aconteceu.

Eu: Isso aconteceu quando ele chegou em São Paulo para tentar a sorte? Então você foi uma das primeiras pessoas aí a ouvir “Mama África”?

Ele: Isso! Ele tocava o repertório do primeiro disco dele (“Aos Vivos”, lançado em 1995). O mais interessante é que 17 anos depois fizemos juntos uma turnê, que acabou de encerrar, chamada “Aos Vivos Agora”. Fomos à Europa, Argentina, fazendo o repertório do DVD “Aos Vivos”. Toquei violão, guitarra e voz.

Eu: Que massa!

Ele: Você foi fundo mesmo… porque é uma coisa profunda essa influência do Chico. É algo que nem eu percebo. Foi natural essa coisa do Chico entrar no disco. Ele é o único compositor que não sou eu. Comecei a cantar “Comer na Mão” nos meus shows e as pessoas sempre acham que a música é minha. Resolvi gravar. Acho que não escolhi, foi natural.

Eu: Você se considera um cantautor, como é o Chico? Um cantor das próprias composições?

Ele: Me considero exatamente isso! Canto minhas canções e toco guitarra.

Eu: E o que veio primeiro, o canto, a composição ou a guitarra?

Ele: A composição veio primeiro e é o que eu gosto muito. Sou artista de palco, gosto de tocar e cantar! Mas, pra mim, a música começa na composição. Componho pra cantar no palco.

Eu: Tem esse papo de que há autoria também na interpretação, né?

Dani BlackEle: É… me sinto recompondo a música de Chico César. Quando canto, as pessoas acham que é minha.

Eu: Bom, eu ficaria aqui horas falando sobre composição, autoria, parceria, sua obra etc, mas temos pouco tempo e eu te liguei para falarmos do show que você vai fazer na Miranda, aqui no Rio.

Ele: Vai ser o show do trabalho novo que lancei na internet. É o EP “Dani Black Ao Vivo”. Ele é o registro da turnê do primeiro disco. Ele tem coisas novas, mas a maioria das músicas são as do primeiro disco, só que na versão ao vivo. Eu quis registrar isso, registrei e resolvi dar de graça, na rede. Coloquei no meu site pra download e, em um mês, já tinha milhares de downloads (baixe aqui). São oito músicas.

Eu:  Mas o show vai ter mais músicas, né? Além de Chico César, alguma releitura?

Ele: Como componho muito, tenho muita coisa pra apresentar e gosto de tocar o que é meu pra ficar testando as músicas no palco. As releituras só acontecem quando vêm de modo natural. Não corro muito atrás. Mas a do Chico não sai mais do roteiro.

Eu: E por que convidar Zélia Duncan?

Ele: A Zélia se tornou parceira. Fizemos uma música linda juntos, “Só Pra Lembrar”, que está inédita. E ela vai cantar outras coisas, que não vou dizer ainda. A Zélia hasteia muito a minha bandeira! É uma grande amiga que quero que esteja comigo. Ela me incentivou. Falou: “Cara, isso tá bom, bota pra galera!” Chamar ela parecia a coisa mais natural. Tudo tem que ser naturalmente e, naturalmente, a Zélia Duncan se tornou a participação do show.

Projeto PatuÁ – Show de lançamento do EP “Dani Black Ao Vivo”
Data: 29 de abril de 2014 (terça-feira)
Local: Miranda – Complexo Lagoon – Av. Borges de Medeiros, 1424 Piso 2 (Lagoa)
Informações e reservas: (21) 2239-0305
Abertura da casa: 19h. Início do bate-papo: 20h30
Classificação: 16 anos
Ingressos: Setor Um Tom Acima – R$ 60 l Setor Notável – R$ 40 l Setor Sustenido – R$ 20.

One thought on “Dani Black: um ‘cantautor’ amigo de Chico César e Zélia Duncan

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>