O que Moraes Moreira fez pela música só foi feito uma vez na história

Posted by Chris Fuscaldo Category: Garota FM

Moraes Moreira morreu? Não acredito… Não faz seis meses que eu, Ricardo Pugialli e Leandro Souto Maior fizemos uma baita homenagem a ele (e aos Novos Baianos) em um show no Rio, regido pelo Célio Albuquerque, em que o foco eram músicas de 1973. Queríamos alguma composição dele, o Moraes Moreira, o cara por trás da banda que tanto amamos. Mas, presos ao tema, acabamos escolhendo uma de Dorival Caymmi que ele eternizou tão bem com sua trupe. O samba da minha terra era a cara da voz de Moraes.

Sim, amamos Novos Baianos e veneramos seu tempo. Pugialli, porque viveu intensamente a época. Eu e Leandro, porque sempre sonhamos com uma máquina do tempo que pudesse nos levar de volta ao sítio onde ele, Paulinho Boca de Cantor, Galvão, Pepeu Gomes e Baby Consuelo viviam como nunca mais algum brasileiro poderia ser capaz de viver. O que Moraes fez pela música só foi feito uma vez na história da humanidade. E mesmo o que ele seguiu fazendo depois é de uma importância para o Brasil que até os gringos reconhecem.

Moraes, além de ser um grande compositor e um cantor especial, era também um defensor da literatura de cordel, tendo sido eleito, inclusive, membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, recentemente. A saída de Moraes Moreira de cena deixa um buraco no meu coração e, com certeza, na cena musical brasileira. O que me alivia é saber que ele deixou muita história gravada, dita, escrita, defendida. E, com certeza, nunca será esquecido pos nós, que continuaremos cantando suas canções.

Abaixo, uma entrevista linda que fiz com Moraes Moreira para a revista Rolling Stone, em 2012:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>