O que Ana Cañas e Alice Cooper têm em comum? Amor pelas mulheres!

Posted by Chris Fuscaldo Category: Shows e eventos Tag:

O que Ana Cañas e Alice Cooper tem em comum além da letra A em seus nomes (no caso de Vincent Damon Furnier, o artístico)? Ambos carregam em sua história homenagem às mulheres e isso foi marcante nos shows que ambos apresentaram nesta quinta-feira 21/09, no Palco Sunset do Rock in Rio. A brasileira abriu os trabalhos no Palco Sunset, apresentando canções como “Mulheres”, fazendo protesto contra a decisão que liberou tratamento da homossexualidade esses dias no Brasil, apoiando todo e qualquer tipo de gesto feminino e convidando o soulman Hyldon para dividir o show com ela. Depois de deixá-lo cantar hits como Dores do MundoNa Rua, Na Chuva, Na Fazenda Na Sombra de Uma Árvore (as duas últimas, cantando junto com ele), os dois fizeram um dueto agressivo em Respeita as mina. Durante sua passagem pelo evento, Ana lembrou o número de estupros registrados diariamente no país, levantou uma bandeira LGBT, cantou na frente te um telão com a mensagem de duplo sentido “Amar sem Temer” e gritou: “O amor é a cura nessa porra desse mundo!”

Ana Cañas e Hyldon no Palco Sunset do Rock in Rio / Foto Elisa / I Hate Flash

Os que não conhecem Alice Cooper acharam que ele estava sendo é misógino ao simular estar enfiando uma faca na boneca viva que atuou no palco durante seu show, alternando-se com uma de pano. No entanto, o número é parte de um teatro que começa com ele homenageando as mulheres com uma canção que ficou conhecida na década de 1970 como “hino feminista” chamado Only Women Bleed. No fim da música, ele “mata” a moça e é levado à guilhotina se auto-intitulando “assassino” (isso já com a música Killer como fundo). Only Women Bleed  foi escrita em cima de uma música composta em 1968 por Dick Wagner para a sua banda da época, The Frost. A balada foi gravada por diversas cantoras, entre elas Tina Turner. Depois dela, Alice ainda fez três canções para as mulheres: Take It Like a Woman, do álbum Brutal Planet (2000), em que critica a violência doméstica, e Every Woman Has a Name, presente em Dragontown (2001). O show do Rock in Rio foi mágico porque, além de dar representatividade às moças (mesmo que muitas não tenham percebido), ele levou uma guitarrista muito, mas muito talentosa, a americana Nina Strauss.

Alice Cooper com a boneca e os guitarristas (entre eles, Nina Strauss) / Foto de Eugenio Laurenzano /Estácio de Sá

Abaixo, trecho da letra de Only Women Bleed com a tradução:

Man got his woman to take his seed (O homem tem sua mulher para pegar sua semente)
He got the power – oh, she got the need (Ele tem a força – oh, ela tem a necessidade)
She spends her life through pleasing up her man (Ela passa toda a sua vida agradando a seu homem)
She feeds him dinner or anything she can (Ela faz para seu jantar qualquer coisa que ela possa)
She cries alone at night too often (Ela chora sozinha em casa muitas vezes)
He smokes and drinks and don’t come home at all (Ele fuma e bebe e não volta para casa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>