Biografias: finalmente as portas se abrem

Depois de 10 anos em que estivemos super em baixa no mercado, mal falados entre alguns artistas (os toscos, claro) e pouco defendidos pelas editoras (pelo medo que tinham de novos processos), finalmente as portas se abriram. A consolidação de um novo mercado para as biografias está na ótima matéria de Julio Maria (aliás, o Estadão tem dado um banho em diversos jornais com as ótimas análises de Julio). E, para vocês verem que nós não somos tão maus quanto o Procure Saber tentou provar que éramos, “a autobiografia de Rita Lee provocou mais estragos do que qualquer biógrafo em 2016”.

Obs.: Atenção, amigos, leitores e colegas do Jornalismo! Depois que o STF liberou a não necessidade de autorização para a escrita de biografias, não existe mais esse papo de “biografia autorizada” e “biografia não autorizada”. Se quiserem muito polemizar, sugiro perguntarem em suas entrevistas e/ou escreverem em suas resenhas que o biografado colaborou ou não com o biógrafo.

Obs.2: Vou ao lançamento de Paulo César a rigor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>