The Hollies: banda marcou mais pelo sucesso que pelo nome

The HolliesFormada no início dos anos 60 em Manchester, na Inglaterra, pelos amigos de infância Allan Clarke, principal vocalista, e Grahan Nash, guitarras e vocais, The Hollies injustamente não é (normalmente) lembrada como uma das principais bandas de rock do cenário sessentista, embora tenha emplacado diversos sucessos, sendo considerado o segundo grupo de maior vendagem de discos da Grã-Bretanha, ficando atrás apenas dos Beatles. Exageros (captados na internet) à parte – até porque acho difícil terem vendido mais que, por exemplo, Rollings Stones The Hollies marcou muito mais por suas músicas do que pelo nome, ostentando trabalhos vocais apuradíssimos e um lado instrumental de fazer inveja a outros grupos do primeiro escalão do rock inglês.

The Hollies 3Em 1962, como todas as demais bandas inglesas, The Hollies, então recém-formados, tocavam covers de artistas americanos como Chuck Berry, Elvis Presley, Buddy Holly e Little Richard, entre outros, no calor da febre do rock que fazia sucesso nos Estados Unidos e espalhava-se para o mundo. Em 1963, foram contratados pela Parlophone, a mesma gravadora dos Beatles, já com Tony Hicks na primeira guitarra, Bobby Elliott – condecorado em 1964 como o melhor baterista de rock da Inglaterra – e Bern Calvert no baixo. Em 1964, lançaram seu primeiro long-play Stay With The Hollies e emplacaram a canção Just One Look (Payne-Carroll). Daí para a frente foram mais 27 músicas nos primeiros lugares das paradas de sucessos de toda Europa, Estados Unidos e América do Sul. No Brasil, The Hollies nos foi apresentado pela primeira vez com a canção Bus Stop (Ghram Goudman), honestamente lançada pelo grupo vocal Golden Boys (leia-se movimento Jovem Guarda), com a versão Pensando Nela (Rossini Pinto).

Seus sucessos mais marcantes aqui no nosso país, além da já citada Bus Stop, foram as músicas Long Cool Woman In Black Dress (Cook-Clarke-Greenaway), que enchia as pistas de dança das discotecas setentistas, Look Throught Any Window (Gouldman – Silverman) –  que também ganhou ótima versão e interpretação na Jovem Guarda aos cuidados da banda Renato e Seus Blue Caps, sob o título Pra Você Não Sou Ninguém (PC Barros) -, Sorry Suzane (Tony – Geoffe), Jeniffer Eccles (Clarke –Nash), a antológica He Ain’t Heavy, He’s My Brother (Russell – Scott) e a bela Don’t Let me Down (Clarke) esbanjando vocais maravilhosamente trabalhados unidos a violões acústicos e arranjos de cordas de primeira linha; coisa linda! Se você ainda não ouviu ou não se lembra, não perca tempo! Procure já e ouça!

EV303769_HOLLIES_DVDslv.inddNessa fase, Grahan Nash já havia sido substituído por Terry Sylvester (ex-The Swing Blue Jeans), quando deixou a banda para juntar-se a David Crosby (ex-The Byrds), S. Stills e N. Young (ex- Buffalo Springfield), brindando-nos com a formação do maior grupo de folk-rock da história americana, o quarteto Crosby, Stills, Nash e Young, que logo tornou-se um trio com a saída de Neil Young. Em 1983, os Hollies lançaram o LP What Goes Around, agora em forma de quarteto com a volta de Grahan Nash e a ausência de Bern Calvert, apresentando uma regravação “modernosa”, com efeitos de sintetizadores (de muito mau gosto) do primeiro hit, de 1964, Just One Look. Em contrapartida, nos traz a gravação numa levada bem rock’n’roll do mega sucesso sessentista do quarteto vocal The Supremes Stop! In Name Of Love (Holland – Dozier – Holland), inserida como tema da novela “Guerra dos Sexos” , da TV Globo; “Salvou o disco”, como dizíamos nos velhos tempos e foi o último hit da banda ouvido aqui no Brasil.

Ainda hoje, a banda encontra-se em atividade, mantendo somente dois dos integrantes originais (Hicks e Elliot). Em 2010, The Hollies foi inserido no Rock And Roll Hall of Fame, a maior condecoração que uma banda ou astro do rock, do pop ou do pop-rock pode almejar.

The Hollies no Hall of Fame - Reprodução da internet

The Hollies no Hall of Fame – Reprodução da internet

Resolvi hoje escrever sobre o The Hollies, impulsionado pelo meu grande amigo André Borges (ex-banda Zoom 2000, ex-banda Sociedade Anônima, radialista, apresentador do programa Vinil Rock Club da Rádio Oceânica FM-105.9, colecionador de vinis com, aproximadamente, 7000 discos), que presenteou-me, como sempre faz, com 4 CDs, dentre eles The Hollies Live – 1973 Tour, que eu não conhecia e não consigo parar de ouvir. Como grande crítico e conhecedor da história do rock mundial, o André não fez “meia-sola”, enviando, anexo a cada CD, um manuscrito resumindo a história de cada banda. E eu, evidentemente, aproveitei algumas informações durante a produção desse texto. Deixo aqui um recado para ele: Obrigado, amigo André! Sinta-se convidado a participar do meu espaço no GarotaFM, preparando um post sobre os Hermans’s Hermits, pois tenho você como maior conhecedor do trabalho dessa ótima banda também Inglesa.

Valeu, The Hollies! Vocês fizeram e continuam fazendo parte do meu mundo musical sempre merecendo lugar de destaque em minha discoteca e no meu coração.

11 thoughts on “The Hollies: banda marcou mais pelo sucesso que pelo nome

  1. Eu tenho 33 anos e curto essa banda há muito tempo e amo essas e todas as outras músicas, acho que sou fã número 1 aqui no Brasil…

  2. The Hollies ficou famosa no Brasil por causa do hit “Bus Stop’ de 1966 e “He Ain’t Heavy, His My Brother” de 1969. Talvez,uns de seus temas mais famosos em terras brazucas!! – marcio “osbourne” silva de almeida – joinville/sc

  3. Olá, Marcio!
    Obrigada pelo comentário! Você está certo. E isso é o que o colaborador destaca no terceiro parágrafo:

    Seus sucessos mais marcantes aqui no nosso país, além da já citada Bus Stop, foram as músicas Long Cool Woman In Black Dress (Cook-Clarke-Greenaway), que enchia as pistas de dança das discotecas setentistas, Look Throught Any Window (Gouldman – Silverman) – que também ganhou ótima versão e interpretação na Jovem Guarda aos cuidados da banda Renato e Seus Blue Caps, sob o título Pra Você Não Sou Ninguém (PC Barros) -, Sorry Suzane (Tony – Geoffe), Jeniffer Eccles (Clarke –Nash), a antológica He Ain’t Heavy, He’s My Brother (Russell – Scott) e a bela Don’t Let me Down (Clarke) esbanjando vocais maravilhosamente trabalhados unidos a violões acústicos e arranjos de cordas de primeira linha; coisa linda! Se você ainda não ouviu ou não se lembra, não perca tempo! Procure já e ouça!

  4. Sou totalmente fã dos Hollies!!!!
    Gostei da matéria publicada.
    Gostaria de saber como esta Allan Clarke nos tempos atuais e o que faz. Ainda trabalha relacionado à música?
    Grata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>